Mulheres deixam de fazer exame de câncer de mama durante a pandemia, aponta pesquisa

Doença deve ter mais de 66 mil novos casos até o fim deste ano. Especialistas reforçam a importância de falar sobre o assunto e ferramentas importantes no combate à enfermidade

A atividade física traz inúmeros benefícios, ajuda na redução/manutenção do peso, previne e combate doenças, melhora a autoestima, fortalece o corpo, a saúde mental e entre outros ganhos. Ela também é fundamental durante o tratamento, pois ajuda a aumentar a imunidade e fortalecer o corpo para o combate à enfermidade. Uma delas é o câncer de mama, pauta de uma das campanhas mais divulgadas, o Outubro Rosa.

Durante todo o mês, entidades se unem em prol da disseminação de informações sobre a doença, que segundo o Instituto Nacional de Câncer, o Inca, deve registrar 66.280 novos casos só neste ano. Este é o tipo de câncer mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil, depois do de pele não melanoma. Mas apesar das estatísticas, um novo levantamento, feito a pedido da Farmacêutica Pfizer e produzido pela Inteligência em Pesquisa e Consultoria, Ipec, revelou que cerca de 47% das mulheres no Brasil deixaram de marcar consultas durante a pandemia.

O médico oncologista Márcio Almeida, do Grupo Oncoclínicas Brasília, pontua que o câncer de mama responde, atualmente, por cerca de 28% dos casos novos de câncer em mulheres. “Ele também acomete homens, porém é raro, representando menos de 1% do total de casos da doença”, pontua. “Ele surge com frequência em mulheres a partir dos 50 anos. Mas, estima-se que 10% dos casos aconteçam antes dos 40. E mesmo sendo a minoria, as pacientes mais novas existem – e precisam de cuidados específicos”, pontua.

Ele ressalta que o diagnóstico precoce ainda é a melhor forma de combater o câncer. Para o especialista, que também atende no Hospital Anchieta de Brasília, da rede Kora Saúde, as campanhas de conscientização como o abril azul e lilás atuam de forma efetiva sobre a população. “O intuito das campanhas é de realmente estimular a sociedade a ir ao médico, a procurar por exames preventivos e mesmo com a pandemia, eles precisam ser feitos, pois são decisivos e podem ser chaves na luta contra essa doença”, relata.

Fatores de risco

Almeida explica que as principais causas do câncer de mama são : sedentarismo, obesidade, consumo excessivo de bebida alcoólica e o cigarro. Para o especialista, muitos casos podem ser evitados com a adoção de hábitos mais saudáveis.

Para além de um corpo perfeito

Dr. Márcio pontua que a atividade física é uma importante aliada, não apenas para prevenir a incidência de diversos cânceres, mas para melhorar a qualidade de vida durante e depois do tratamento dos tumores. “O exercício é uma das poucas coisas que podemos afirmar com segurança que diminui a reincidência de câncer”, comenta. O especialista acrescenta que “durante o tratamento, se o paciente for liberado pelo médico, os exercícios podem melhorar a disposição, o apetite, bem-estar e aumentar a força muscular, que é comprometida durante a quimioterapia”.

Farley Cândida, profissional de educação física da Bodytech Goiânia, aponta que o exercício promove e potencializa a produção e regulação dos hormônios, como o da alegria, a serotonina, adrenalina, dopamina e ocitocina. “A atividade física ajuda na sensação de bem-estar, no controle do estresse, os níveis de estrogênios circulantes (em consequência de uma diminuição do tecido adiposo), além da redução da inflamação e melhora da sensibilidade à insulina”, destaca. “Ela também ajuda a diminuir os níveis de insulina no jejum e de IGF-1”, pondera.

Segundo a especialista, exercícios físicos também têm efeitos imunomodulatórios, que melhoram as respostas imunes inatas e adquiridas, além de promoverem vigilância tumoral. “Estudos ainda demonstram que exercícios aeróbicos podem reduzir o estresse oxidativo e melhorar os mecanismos de reparo do DNA, possivelmente controlando a carcinogênese”, conclui.

Atenção aos sinais!

No combate ao câncer de mama, é preciso que alguns sinais sejam observados. O médico Márcio Almeida destaca que é de extrema importância ficar atento a determinadas situações:

– Fazer autoavaliação com frequência;

– Observar aparecimento de lesões na boca;

– Manter uma boa higiene oral;

– Evitar fumar;

– Evitar ingestão de bebidas; o excesso de álcool pode causar câncer de boca, língua, garganta, câncer de fígado e câncer de pâncreas;

– Fazer uso de preservativo durante as relações sexuais;

– Manter uma boa higiene íntima.

Link da Matéria: Clique Aqui

Fonte: Visão Hospitalar

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário