Doenças Celíacas: mitos e verdades

5 mitos e verdades sobre as doenças celíacas que você precisa conhecer

Atualmente ouvimos falar muito sobre o glúten, e também surgem vários mitos sobre as doenças celíacas. Trouxemos aqui cinco pontos para você conhecer mais sobre essa disfunção do sistema imunológico que reflete no corpo todo.

Mas, antes, vamos explicar um pouco sobre o que ela é exatamente.

O que são doenças celíacas?

É uma doença de origem genética onde há uma resposta imunológica alterada à ingestão de glúten. 

O glúten é uma proteína presente em cereais como trigo, centeio, aveia, cevada e malte.

A doença celíaca causa uma reação exagerada no sistema imunológico, ataca a parede do intestino e prejudica o seu funcionamento. Pode causar diarreia, anemia, perda de peso, osteoporose e até câncer.

Agora vamos aos mitos e verdade sobre as doenças celíacas.

1 – Doenças celíacas e intolerância ao glúten são a mesma coisa: mito

As pessoas que têm doença celíaca sofrem uma resposta autoimune ao glúten e os sintomas são diarreia, danos na parede do intestino, má absorção das vitaminas e possivelmente desnutrição.

Já as intolerantes ao glúten, ou que possuem sensibilidade às proteínas gliadina e glutenina costumam ter sintomas intestinais que desaparecem após a retirada dos alimentos com glúten. Além disso, não sofrem com alterações morfológicas ou danos permanentes no intestino.

2 – Os sintomas causados pelas doenças celíacas são apenas digestivos: mito

Embora a manifestação gastrointestinal seja a mais popular, mais da metade dos celíacos desenvolvem outros sintomas além dos digestivos. Entre eles:

  • Lesões na boca
  • Alterações de humor
  • Menstruação irregular
  • Dor nas articulações
  • Anemia
  • Cansaço
  • Formigamento nas mãos e pés
  • Problemas de crescimento

3 – Quem tem algum familiar celíaco está em maior risco: verdade

Por ser uma doença genética, costuma afetar mais de um membro da mesma família. Portanto, se você tiver parentes de primeiro ou segundo grau que tenham recebido o diagnóstico de doença celíaca, procure um médico para perguntar se você também precisa fazer os exames para investigar se é portador dos genes HLA-DQ2 e HLA-DQ8.

Geralmente, para compor o diagnóstico, além da análise dos sintomas, são requisitados exames de sangue e biópsia do intestino delgado.

Outros fatores que podem aumentar o risco de doença celíaca são: Síndrome de Down, doença da tireoide e diabetes tipo 1.

4 – A doença celíaca pode aparecer em adultos e idosos: verdade

A doença celíaca pode se desenvolver em qualquer fase da vida, inclusive na terceira idade. Embora seja frequente em bebês, assim que acontece a introdução do glúten na dieta, algumas pessoas só terão os primeiros sintomas na vida adulta.

Falando em idosos, nós preparamos um conteúdo gratuito para você, com várias dicas e informações importantes para os cuidados com quem está na terceira idade. Clique aqui para acessar!

5 – Comer muito glúten causa doença celíaca: mito

Consumir grandes quantidades de glúten não faz uma pessoa desenvolver a doença celíaca.

Ela é uma doença de origem genética, ou seja, é preciso que a pessoa tenha os genes HLA-DQ2 e HLA-DQ8 para manifestar a doença. Portanto, consumir grãos como o trigo e a cevada não fará a pessoa ter doença celíaca.

Procure por um especialista

A doença celíaca possui tratamento, mas não tem cura. É importante que caso tenha alguém na família com a doença ou manifeste os sintomas, um médico seja procurado. Pode ser um clínico geral ou um gastroenterologista.

Quanto antes o diagnóstico for feito, melhor será a qualidade de vida do paciente, afinal quem possui a doença pode sofrer até mesmo ao ingerir quantidades mínimas de glúten.

Cada dia mais, a tecnologia auxilia no desenvolvimento de alimentos e produtos sem glúten para que as pessoas com a doença celíaca possam viver uma vida comum.

Gostou? Continue acessando nosso blog para aproveitar o melhor conteúdo na área da saúde.

E caso você queira agendar alguma consulta, basta clicar aqui!

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário