Manobra para acelerar o parto não é mais recomendada e coloca mãe e bebê em risco

Manobra para acelerar o parto não é mais recomendada e coloca mãe e bebê em risco

No último domingo (9), Shantal Verdelho falou ao “Fantástico” pela primeira vez após o vazamento de vídeos de seu parto e áudios em que relatava se sentir vítima de violência obstétrica. Além de reforçar seu ponto de vista durante a entrevista, ela apresentou imagens que impressionaram, mostrando, por exemplo, o uso da manobra de Kristeller.

O método antigo, embora acelere o nascimento, não é mais indicado e ainda pode oferecer grandes riscos à mãe e ao bebê. Entenda:

Mãe de dois, Shantal Verdelho está vivendo o seu segundo puerpério diante de um drama. Após baixar a emoção da chegada de Domênica, a influenciadora digital assistiu ao vídeo de seu parto e relatou ser vítima de práticas que não são recomendadas e podem se enquadrar em um caso de violência obstétrica.

Bastante assustada com o que passou, ela chegou a compartilhar com amigas os detalhes de sua experiência e, foi então, que teve seu caso exposto para todo o Brasil. Após um vazamento dessas imagens e de seus áudios, Shantal se tornou um dos rostos da luta contra esse tipo de prática.

Até o momento, Shantal só havia disponibilizado o vídeo para as autoridades públicas. No entanto, para o programa dominical da Globo, a influenciadora cedeu imagens do momento em que o seu obstetra opta por realizar a manobra de Kristeller, técnica usada para acelerar o nascimento do bebê.

Sob orientação do obstetra, quem pressiona a barriga da influenciadora é um profissional que estava auxiliando o parto.

“Minha barriga foi pressionada desde o momento que ele chegou (…) Inclusive, eu reclamei que tava doendo. Quando você assiste aos vídeos, você vê ele tremendo de tanta força que ele faz contra a minha barriga”, lembra.

Em seu perfil no Instagram, ela afirmou ter consciência de que a manobra não era indicada, mas que se encontrava em um momento de muita vulnerabilidade. “Quem em sã consciência deixa um médico subir na sua barriga? Sabendo que aquilo poderia estar machucando a minha bebê? Imagina o desespero que não foi pra minha bebê a saída dela da minha barriga. Do nada ela já está em um lugar apertado e tem alguém apertando ela daquele jeito”.

Shantal ainda afirmou ter se sentido muito culpada. “Eu sabia que aquela manobra não é indicada mais e que ela pode machucar o meu bebê, me machucar, mas nessa hora eu nem tava me importando com isso, eu tava me importando com a saúde da minha filha”, completa.

O que é manobra de Kristeller?

Descrita pelo ginecologista alemão Samuel Kristeller, em 1867, a manobra consiste “na aplicação de pressão na região superior do útero com objetivo de facilitar a saída do bebê”, como explica Dr. José Moura, ginecologista e obstetra do Hospital Anchieta de Brasília. No entanto, não há evidência alguma de que ela apresente benefícios durante o parto.

“Um acompanhamento de parto sendo realizado de maneira satisfatória, com um apoio constante, ausculta de seu bebê sendo realizada rigorosamente, gestante livre para ficar na posição que considerar mais confortável e informá-la sobre sua evolução fazem com que essa manobra não seja lembrada”, explica o especialista.

Riscos da manobra de Kristeller

mae filho 0122 1400x933

Além de não oferecer benefícios, a manobra de Kristeller ainda pode apresentar riscos à mãe e ao bebê e, exatamente por isso, ela já foi banida pela OMS (Organização Mundial da Saúde), como explica Sergio Miqueleti, ginecologista do HSANP.

O médico alerta para os riscos que a técnica pode oferecer à gestante:

  • Fratura da costela;
  • Aumento do risco de hemorragias;
  • Laceração do períneo;
  • Descolamento da placenta;
  • Dor abdominal;
  • Ruptura de órgãos como baço, fígado e útero

Já para o bebê, os riscos são de hematomas encefálicos, fratura de clavícula e crânio e convulsão.

“Foi meu presente ela vir com saúde depois do tanto que eu lutei”, diz Shantal Verdelho

Quase quatro meses após o seu segundo parto, Shantal Verdelho tem revivido a chegada de Domênica por motivos não muito felizes. Acusando seu obstetra de violência obstétrica, a influenciadora está travando uma briga judicial com o médico, que acabou tomando proporções maiores devido ao vazamento de algumas imagens e áudios seus na internet.

Em meio ao debate, ela vem sendo bastante cobrada a ter certas posturas, mas explicou um relato bastante sincero seus motivos de estar mais quieta nas redes sociais e de ter buscado serenidade no momento.

Shantal fala sobre parto da filha

Mãe de dois, Shantal Verdelho viu na segunda gestação a chance de vivenciar um parto normal. Durante a gravidez, ela chegou a passar por um período de mais tensão com relação à chegada de sua bebê antes da hora, mas foi assistida por uma equipe médica para conseguir evitar um parto prematuro.

Nascida em 13 de setembro de 2021, Domênica foi festejada pela influenciadora digital e seu marido, Mateus Verdelho. No entanto, pouco tempo depois seu parto acabou virando assunto dentro e fora das redes sociais após vazarem vídeos e áudios seus em que relatava ter se sentido violentada durante o nascimento da filha.

Nesse momento, Shantal se tornou um dos rostos da luta contra a violência obstétrica e muitas pessoas passaram a cobrar dela uma atitude mais combativa. Puérpera, contudo, ela se viu em um turbilhão de emoções e optou pelo silêncio até o último fim de semana.

Na último domingo (9), em entrevista ao “Fantástico”, a influenciadora abordou o tema e explicou que um de seus maiores motivos de ter decidido não abordar o tema era o fato ver a chegada de sua filha atrelada a algo tão ruim.

De volta ao Instagram, na última segunda-feira (10), ela explicou aos fãs que enxerga a vinda de Domênica ao mundo de forma diferente do que foi a experiência do parto. “A chegada dela foi linda, o fato de ela ter vindo pra minha vida foi lindo, mas a forma como foi feita essa chegada que não foi linda”.

Ela ainda relembrou que passou por um parto de mais de 48 horas e, devido ao cansaço, sequer estava compreendendo tudo o que vivia, apesar de ter bastante informação sobre o tema.

Na hora, mesmo sabendo de tudo, eu fiquei congelada, eu não consegui fazer nada contra aquilo, porque você está num estado de vulnerabilidade máxima”, explicou. A saúde de sua filha, aliás, foi o principal foco não só no parto como também durante a gestação.

A prova disso foi todo o esforço que ela fez para evitar um parto prematuro. “Eu fiquei três meses de cama pra essa menina vir com saúde e vir no tempo certo”, lembra.

Shantal compreende hoje os motivos que a fizeram festejar o parto antes de compreender tantos detalhes difíceis. “Foi o meu presente ela vir com saúde depois do tanto que eu lutei pela vida dela e pela vinda dela do jeito certo, na época certa (…) Pra mim, no macro, meu parto tinha sido ótimo porque minha filha que quase nasceu prematura de 25 semanas chegou com 41 e estava bem de saúde”, afirmou.

Link da Matéria: Clique Aqui

Fonte: Portal Vix

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário