LER: lesão por esforço repetitivo

LER: principais sintomas e tratamentos

Você já ouviu falar em LER? Esta é a sigla para lesão por esforço repetitivo. É um problema que gera muita dor e desconforto, além de sintomas como fraqueza muscular.

A seguir, saiba mais sobre o que é a LER, quais os principais sintomas e como é feito o tratamento.

O que caracteriza a lesão por esforço repetitivo?

As características da LER nem sempre são fáceis de serem definidas. Isso porque se trata de uma doença multifatorial (decorrente de diferentes fatores). Essas lesões podem ocorrer nos ossos, músculos, nervos, ligamentos e tendões. Por isso, a sigla não representa uma doença específica, mas sim um tipo de problema causado por movimentos repetitivos.

Algumas das lesões mais conhecidas são a tendinite, a síndrome do túnel do carpo e a bursite.

Existem diversos motivos que levam ao surgimento da LER. Por isso, o paciente é fundamental para auxiliar no diagnóstico. Ele pode identificar os movimentos repetitivos que realiza durante o trabalho, por exemplo. A LER é uma das doenças que mais acomete trabalhadores, de acordo com o Ministério da Saúde. 

Quais são os principais sintomas de LER?

Geralmente, os sintomas só aparecem quando o paciente já apresenta um grau avançado da lesão. Os pacientes costumam reclamar de dor pulsante ou latejante, sensação de formigamento e peso, fraqueza e desgaste muscular. Os sintomas, em geral, aparecem no final do dia.

Quem pode desenvolver LER?

Basicamente, qualquer pessoa. Contudo, pessoas que trabalham com digitação, manuseio de equipamentos pesados, costura, entre outros, podem apresentar fatores de risco mais elevados para desenvolvimento de alguma lesão. Entre esses fatores estão levantamento de peso, movimentos repetitivos por longos períodos e postura inadequada.

De acordo com o Ministério da Saúde, os setores mais afetados são a indústria, o comércio, áreas de limpeza, transporte e alimentação.

Tipos de tratamento

Como a doença é multifatorial, não há um tratamento específico para ela. Tudo depende do diagnóstico de cada paciente. O ideal é procurar um ortopedista ou um médico especialista no controle da dor para que ele possa realizar os exames adequados e identificar a origem da lesão, para conduzir o tratamento mais adequado.

Em alguns casos, o médico pode receitar medicamentos como antiinflamatórios, além da indicação de fisioterapia. Algumas pessoas também podem encontrar benefícios com a acupuntura.

É indicado também que o trabalhador se afaste das atividades por um período, para diminuir as dores. Porém, nem sempre tudo isso resolve o problema de forma definitiva. Há casos em que o paciente necessita de cirurgia.

Como é possível prevenir o problema?

Para prevenir a LER é importante ter consciência corporal e observar quando há a realização de movimentos repetitivos. O ideal é que o trabalhador possa fazer pausas e se alongar ao longo do dia. A prática de ginástica laboral no ambiente de trabalho é uma ótima opção.

É importante também observar se o local de trabalho segue alguma norma que visa prevenir este tipo de problema nos trabalhadores. Isso vai desde a escolha dos móveis e cadeiras até equipamentos de proteção aos funcionários.

Fazer modificações no ambiente para facilitar o trabalho é uma medida importante. Fora isso, o trabalhador deve ficar sempre atento à sua postura.

Vale lembrar que é fundamental procurar ajuda médica assim que surgirem os primeiros sintomas. Ou seja, quando o paciente começar a sentir um tipo de dor difusa, é bom investigar a sua origem. Isso é muito importante para o sucesso do tratamento.

Quer saber mais sobre a LER? Nós temos um e-book completinho sobre este assunto, para acessá-lo, clique aqui

Caso esteja precisando fazer uma consulta ou exame de imagem, é só clicar aqui para acessar nosso agendamento online. 🙂

2 Comentários

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário