depressao-pos-parto

Depressão pós-parto: conheça as suas principais causas, sintomas e como se cuidar.

O misto de emoções que envolvem a maternidade transforma a vida e a saúde da mulher. Tornar-se mãe é um sonho e ver o rosto do bebê assim que ele nasce é um momento indescritível. Entretanto, no cotidiano, após o nascimento, algumas mamães começam a sentir uma tristeza profunda, apresentam irritabilidade, cansaço extremo e ficam confusas sobre o que realmente está acontecendo. Esses são sintomas comuns da depressão pós-parto.

É uma condição relativamente comum, que atinge, em média 25% das mulheres, de acordo com estudos realizados pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), ou seja, uma em cada quatro mulheres. Mas, afinal, o que é, como identificar e tratar a depressão pós-parto?

O que é depressão pós-parto

Depressão pós-parto é o estado em que a mãe, após o nascimento do bebê, passa a sentir uma tristeza intensa, tem episódios de irritação extrema, está sempre cansada, sem esperança e muitas vezes desesperada. Tudo se transforma em uma atmosfera de confusão em que a própria mulher desconhece o porquê ou como ocorre.

Este quadro depressivo pode criar uma situação ainda pior, que é chamada de psicose pós-parto, no qual há afastamento entre a mãe e o bebê, afetando o vínculo entre os dois, acompanhado de dificuldade para amamentar e até mesmo desinteresse pelo filho e por tudo mais que cerca a mulher.

A depressão pós-parto costuma se manifestar, em geral, da gestação até 4 semanas após o após o nascimento do bebê.

Sintomas da depressão pós-parto

Como já salientamos, são sinais claros de depressão pós-parto:

  • Tristeza profunda;
  • Melancolia;
  • Períodos de irritação extrema;
  • Cansaço.

Mas, existem outros sintomas igualmente comuns que pode ser:

  • Desmotivação;
  • Falta de vontade para realizar coisas prazerosas;
  • Indisposição e desânimo;
  • Perda ou ganho de peso repentino;
  • Preocupação;
  • Ansiedade;
  • Sentimento de culpa;
  • Distúrbios do sono.

Caso quaisquer desses sintomas perdurem por mais de duas semanas, é necessário buscar ajuda médica.

Procurando uma instituição de saúde com qualidade e excelência? Entre em contato com o Hospital Anchieta e descubra como podemos ajudá-lo.

Fatores de risco

Um ponto de atenção é que existem mulheres que são mais propensas a desenvolver a depressão pós-parto. Os principais fatores de risco são:

  • Histórico familiar ou próprio de depressão ou depressão pós-parto;
  • Estresse;
  • Transtorno bipolar;
  • Violência doméstica;
  • Sobrecarga e falta de apoio do marido ou da família;
  • Problemas psicológicos antes ou durante a gravidez;
  • Violência doméstica.

Diagnóstico e tratamento

O diagnóstico da depressão pós-parto é feito com base na observação clínica dos sintomas apresentados pela mulher e o tempo em que estão se manifestando. O acompanhamento sistemático do psicólogo e do psiquiatra é fundamental, assim como o apoio da família.

O tratamento consiste em um trabalho afetivo entre mãe, bebê e família e pode ser necessário auxílio de mais uma pessoa para cuidar da criança, a fim de diminuir a sobrecarga sobre a mulher. Dependendo do caso, o psiquiatra pode prescrever tratamento com terapia hormonal.

Prevenção

Engana-se quem pensa que a depressão pós-parto não pode ser prevenida. Algumas medidas simples, mas imensamente eficazes, podem auxiliar a mulher durante toda a gestação, preparando-a psicologicamente para o parto e o cotidiano com o bebê.

O foco principal é cuidar da saúde mental com:

  • Exercícios físicos;
  • Caminhadas ao ar livre;
  • Realização de atividades prazerosas e hobbies;
  • Companhia de pessoas queridas.

Além disso, é possível prevenir a depressão pós-parto cortando o consumo de cafeína, álcool e drogas e fazer sempre os exames necessários de gestação, como o pré-natal e o pós-natal assim que o nascimento acontecer.

A parceria com a família ou pessoas com vínculo afetivo importante com a mãe também é de extrema importância. Familiares devem sempre oferecer ajuda e estar disponíveis para auxiliar a mulher durante este período.

Depressão X Tristeza pós-parto

Por fim, é interessante compreender que a tristeza sentida pela mãe após o parto nem sempre se trata de depressão, mas sim do chamado baby blues, ou tristeza pós-parto.

O baby blues é um sentimento de melancolia passageiro, no qual muitas mães se sentem indispostas, têm crises de choro incontroláveis e até medo.

Porém, nesse caso, a tristeza pós-parto ocorre simplesmente por alterações hormonais decorrentes do nascimento do bebê, mas não se trata de doença ou condição séria. Não necessita tratamento e tende a passar em poucos dias.

Essas são as principais diferenças entre a depressão e a tristeza pós-parto: enquanto uma condição age de forma severa, gerando até mesmo a rejeição do filho, a outra ocasiona apenas episódios de tristeza e vulnerabilidade.

Saiba mais sobre saúde e qualidade de vida! Acompanhe o Hospital Anchieta no Facebook, no Instagram e no YouTube, e tenha acesso aos melhores conteúdos.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário