dr patas

Animais de estimação auxiliam tratamento de pacientes no Hospital Anchieta de Brasília

“Cada visita é uma emoção!”, vibra a psicóloga voluntária no projeto Dr. Patas, que faz parte da rotina de pacientes da UTI. A ideia é expandir a iniciativa para mais hospitais

Especialistas confirmam que passar um tempo com animais de estimação traz benefícios psicológicos e fisiológicos, reduz sintomas de estresse, ansiedade e até melhora o padrão cardiovascular e a pressão arterial.

Com este objetivo nasceu o projeto Dr. Patas, uma iniciativa totalmente voluntária, que leva animais de estimação para alegrar e melhorar a qualidade de vida dos pacientes internados e em tratamentos prolongados no Hospital Anchieta de Brasília.

Os cães que participam do projeto são treinados para o hospital para realizar a Terapia Assistida por Animais (TAA).

“Na TAA o animal age como coterapeuta e auxilia o tratamento proposto ao paciente. Há uma intervenção direcionada com específicos fundamentos, feita por um profissional da área da saúde com objetivos claros e dirigidos para potencializar e desenvolver diversos aspectos do paciente”, explica a psicóloga do Hospital Anchieta de Brasília e do projeto, Fernanda Meira.

Fazem parte do projeto a psicóloga hospitalar e clínica Fernanda Meira, a médica Dra. Júlia Tolentino e a jornalista e psicóloga Cláudia Casalli.

O projeto está em ação no Hospital Anchieta de Brasília desde dezembro de 2019, com o cachorro Khronnos, um Golden retriever, de 4 anos.

Treinado e previamente avaliado por veterinários, ele foi liberado para ir aos hospitais com autorização de todos os responsáveis pelo Comissão para Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) e médicos para quebrar a rotina de tratamentos.

“Os pacientes ficam mais animados e felizes após a visita. A internação na UTI é um momento que pode ser delicado, mas passa a ser leve e cheio de alegria”, explica Fernanda.

“Hoje o Projeto Dr. Patas é desenvolvido no Hospital Anchieta, mas queremos expandir para outros hospitais futuramente. É voluntário e não tem nenhum tipo de custo para o hospital, paciente ou familiar. Queremos levar os pets e assim reduzir o período de internação caracterizado por efeitos colaterais positivos, como a minimização dos riscos de infecções por internações prolongadas no hospital”, conta a psicóloga.

Entenda como acontece

Antes da visita do cachorro, é feita uma triagem médica e uma triagem psicológica com os pacientes da UTI e da internação, para saber se podem e se querem receber a TAA.

Todas as normas nacionais, da OMS e do setor de controle Centro de Segurança Assistencial (CSA) são seguidas para não colocar em risco a vida e o tratamento do paciente e manter em segurança o protocolo de controle de infecção do hospital.

Fernanda se emociona com a atuação do cachorro: “cada visita do Khronnos é uma emoção! Os pacientes, acompanhantes e equipes vibram com a presença do cachorro. É o momento em que os pacientes podem expressar seus sentimentos, emoções, fantasias, medos, além de se ter a estimulação dos recursos e comportamentos de enfrentamento e adaptativos durante o período de hospitalização. A alegria, o carinho, o amor e o cuidado são os princípios do nosso projeto”.

Como é para o paciente?

“Quando fazemos a visita com o Khronnos, visamos além da qualidade do cuidado para esse paciente, principalmente estimular a recuperação da autoestima e dar a sensação de segurança para ele, além da oportunidade de comunicação e socialização. Também é possível minimizar sintomas de maior tristeza e ansiedade, porque quando o animal tem um contato com o paciente, este paciente se permite ser cuidado pelo cachorro e há uma troca imediata. Muitas vezes nós temos a emoção que vem à flor da pele de imediato, o choro, a gargalhada, a vontade de abraçar, a vontade de se expressar. Os benefícios psicológicos são vários, né? Maior felicidade e maior controle da angústia daquele momento. Então a terapia assistida por animais é fantástica até mesmo para pacientes em estado de cuidados intensivos em UTI”, explica a Psicóloga Clínica.

Link da Matéria: Clique Aqui

Fontes: Mais Brasília

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário