Especialista da CardioAnchieta explica que cuidar da saúde e controlar a pressão arterial pode evitar outras doenças e garantir mais qualidade de vida

Reduzir o consumo de sal, praticar atividades físicas, evitar consumir em excesso álcool e gorduras, além de manter o peso em dia, são medidas que podem evitar diversas doenças, inclusive a hipertensão. No país, mais de 36 milhões de pessoas são hipertensas e o problema pode ser herdado dos pais em 90% dos casos. Mas, outros fatores, como hábitos de vida, influenciam nos níveis de pressão arterial. Por isso, 26 de Abril é o dia da chamada nacional para a Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial.

A hipertensão é uma doença crônica e faz com que o coração tenha que se esforçar mais do que o normal para distribuir o sangue corretamente no corpo. “Também conhecida como pressão alta, é uma condição clínica multifatorial caracterizada por elevação sustentada dos níveis pressóricos acima ou igual a 140×90 mmHg (ou 14 por 9). Frequentemente é associada a distúrbios metabólicos, alterações funcionais e/ou estruturais de órgãos, sendo agravada pela presença de outros fatores de risco, como dislipidemia (alterações do perfil lipídico), obesidade abdominal, intolerância à glicose, sedentarismo e diabetes melittus”, explica o cardiologista Dr. Bruno Jardim, da CardioAnchieta.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de um bilhão de pessoas em todo o mundo são hipertensas. No Brasil, a hipertensão arterial causa cerca de 300 mil mortes por ano, é responsável por 40% dos infartos, 80% dos derrames e 25% dos casos de insuficiência renal terminal. Um em cada quatro brasileiros adulto convive com a patologia.

Segundo o cardiologista, 50% dos pacientes desconhecem a condição e a prevenção à doença pode evitar consequências graves à saúde. “Se prevenir pode diminuir a incidência de eventos cardiovasculares. Ter hábitos de vida saudável, como boa alimentação, diminuir a ingestão de sal e álcool, atividade física, redução e controle de peso é fundamental. Esta data de Combate e Prevenção é importante como forma de conscientização e serve para alertar os pacientes hipertensos da necessidade do controle adequado da pressão arterial para reduzir de forma significativa o risco de complicações”, afirma Dr. Bruno Jardim.

Além da prevenção, quando descoberta a doença é primordial que seja feito acompanhamento. Mais da metade dos hipertensos não cuidam da saúde, não controlam adequadamente a pressão arterial ou deixam de tomar os medicamentos. “A Hipertensão, na maioria das vezes, é assintomática, e quando desenvolve sintomas, já pode estar associada a algum dano a órgão nobre como cérebro, coração e rim. A doença mantém associação independente com eventos como morte súbita, acidente vascular encefálico, infarto agudo do miocárdio, insuficiência cardíaca, doença renal crônica e doença arterial periférica”, alerta o especialista.

Reduzir o sal
A Cúpula das Nações Unidas para prevenir doenças não transmissíveis e pela Organização Mundial da Saúde recomenda reduzir o sal nas refeições. O consumo excessivo de sal aumenta em 30% a pressão arterial, é uma substância provável pró-cancerígena para câncer gástrico e também está associada com cálculos renais e osteoporose. A OMS recomenda consumir abaixo de 5g por dia ou 2.000 mg de sódio.

Dicas de prevenção
– Praticar atividades físicas pelo menos três vezes na semana
– Evitar alimentos gordurosos, frituras, doces e muito salgados
– Evitar ingerir bebidas alcoólicas porque elas baixam a pressão e somadas aos efeitos dos medicamentos podem causar complicações
– Evitar fumar porque o fumo pode aumentar a pressão arterial
– Evitar o estresse
– Não parar o uso dos medicamentos sem a orientação do médico